MARANHÃO

BAIXO PARNAÍBA

BRASIL e Mundo

CRIMES

Videos

Fique bem informado. Assista!

Fique bem informado. Assista!
Clique para se inscrever em nossa página
Você está em

Jefferson Portela diz que vai apurar conduta de policial que fez comentários ofensivos a morte de mulher assassinada por PM

Antenor Ferreira 

A morte da jovem Bruna Lícia Fonseca, assassinada pelo marido Carlos Eduardo Nunes, soldado da Polícia Militar do Maranhão, ganhou repercussão nacional. Na tarde do último sábado (25) o PM matou a tiros a esposa e seu suposto amante, José William dos Santos, após flagra-los em momento íntimo na cama do casal, em um apartamento do condomínio Pacífico I, bairro Vicente Fialho, em São Luís. 
PM Carlos Eduardo Nunes, a finada esposa e seu suposto amante, também assassinado, José William 
Nas redes sociais o que não faltou foi comentários polêmicos, sendo a grande maioria em defesa do Militar, numa espécie de culpabilização da jovem, que passou a fazer parte da triste lista de vítimas de feminicídio em nosso estado, que infelizmente cresce a cada dia. 

Preocupado com esse comportamento a Polícia Civil emitiu nesta segunda-feira (27) um alerta sobre comentários com apologia ao crime. A ação não gera prisão imediata, segundo o Departamento de Combate a Crimes Tecnológicos (DCCT), da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC). Mas, pode acarretar processos e possível condenação aos autores. 

O também policial militar Tiago de Jesus é um dos usuários da rede é um dos que poderá responder pelo crime de apologia ao crime, após comentários publicados na rede Twitter. 

Em um de seus posts ele chegou a denegrir a imagem da vítima e afirmou que outras pessoas teriam o mesmo destino caso traíssem seus companheiros. 

Na mesma rede social o Secretário de Segurança Pública do Estado, Jefferson Portela, se pronunciou sobre o caso, prometendo a instauração de procedimento para apurar a conduta do PM. Veja: 
Por meio do Twitter, o defensor público Jean Nunes também repercutiu o assunto:
Nesta quarta-feira (29), um ato contra o feminicídio e diálogo com a imprensa acontecerá às 15h na Casa da Mulher Brasileira, na capital maranhense. A convocação é do Fórum Maranhense de Mulher. A intenção é reforçar o papel da imprensa no combate à violência e a criminalização da mulher vítima.

O Código Penal Brasileiro em seu Artigo 287 do afirma que fazer publicamente apologia de fato criminoso ou de autor de crime gera pena de detenção, de 3 a 6 meses ou multa. 

Informações: MA 10 

Siga o blog no FacebookInstagramTwitter YouTube

Antenor Ferreira

Jornalista chapadinhense, 33 anos, apresentador de rádio e TV, e redator dessa página. Obrigado por sua visita! Siga-nos no insta: @antenor.oficial

Nenhum comentário:

Participe! Deixe seu comentário

Assista!

Assista!
Clique para se inscrever na página

Clique na imagem e confira!

Nos Siga no Facebook

Mais lidas da semana

Ouça a rádio voz de arari!

Arquivo da página