MARANHÃO

BAIXO PARNAÍBA

BRASIL e Mundo

CRIMES

Videos

Fique bem informado. Assista!

Fique bem informado. Assista!
Clique para se inscrever em nossa página
Você está em

Governo do Maranhão decreta calamidade pública devido casos de H1N1, Covid-19 e fortes chuvas


Uma das cidades mais afetadas com a chuva foi Imperatriz. — Foto: Centro Tático Aéreo da Polícia Militar do Maranhão.
O governo do Maranhão decretou nesta quinta-feira (19) situação de calamidade pública por conta da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), pelo aumento no número de infecções pelo vírus H1N1 e pelas chuvas intensas que atingem milhares de famílias em todo o estado.

Mais de 3,1 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas por conta das cheias dos rios e pelo nível elevado de chuvas registrados no estado. Até o momento, o estado não possui casos suspeitos do novo coronavírus, mas monitora 205 pacientes em 18 municípios. Já em relação ao vírus H1N1, o Maranhão possui 22 casos confirmados.

Com o decreto, podem ser requisitados bens e serviços voltados ao amparo e a assistência à população atingida no estado. Por conta da situação alarmante o governo suspendeu as férias de profissionais da saúde e de membros do Corpo de Bombeiros do Maranhão (CBMMA).

Coronavírus

O Maranhão não possui nenhum caso confirmado da Covid-19, mas segundo o último balanço divulgado nesta quinta-feira (19) pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), 205 pacientes estão sendo monitorados por suspeita da doença.

Em decreto publicado na segunda-feira (16), o governo suspendeu as férias dos servidores da saúde e as aulas por 15 dias na Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UemaSul), no Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) e em escolas da rede estadual de ensino e privadas.

Para tentar conter possíveis novos casos da doença do estado, o transporte interestadual rodoviário também ficará suspenso por 15 dias. A medida começa a valer a partir das 9h de sábado (21). Além disso, também foi suspensa a realização grandes eventos com aglomeração de público em todo o estado.

H1N1

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), o Maranhão possui 22 pacientes infectados pelo vírus H1N1. Recentemente, uma criança de dois anos morreu em São Luís vítima da doença.

A secretaria afirma que foram notificados 10 mortes, sendo dois casos descartados após análises das amostras feitas pelo Instituto Evandro Chagas, no Pará. O órgão é vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde (MS). Outros sete casos seguem sob investigação.

Por conta da situação, a campanha de vacinação contra a Influenza foi antecipada no estado. As doses estarão disponíveis em postos de saúde a partir da segunda-feira (23). Em São Luís, a prefeitura divulgou a lista de postos de saúde com as vacinas disponíveis.
As doses da imunização contra o vírus Influenza A acabaram ainda ontem nos municípios de Juazeiro do Norte e Crato e ainda não previsão para reposição — Foto: Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Chuvas no Maranhão

Segundo o Corpo de Bombeiros do Maranhão (CBMMA), 29 cidades já registraram prejuízos pelas chuvas em todo o estado. Os municípios de Aldeias Altas e Arame já declararam situação de emergência. Veja abaixo a lista de municípios afetados.

  • Açailândia
  • Alto Alegre do Maranhão
  • Arari
  • Amarante do Maranhão
  • Arame
  • Aldeias Altas
  • Bacabal
  • Brejo
  • Cantanhede
  • Carutapera
  • Cidelândia
  • Codó
  • Conceição do Lago-Açu
  • Davinópolis
  • Dom Pedro
  • Duque Bacelar
  • Grajaú
  • Imperatriz
  • Itapecuru-Mirim
  • Pedreiras
  • Pirapemas
  • São João dos Basílios
  • São José de Ribamar
  • São Luís
  • Santa Helena
  • Trizidela do Vale
  • Timon
  • Vitória do Mearim


Um dos municípios mais afetados pelas chuvas no estado foi Imperatriz, localizado a 626 km de São Luís. Durante o último fim de semana, foram registrados mais de 300 milímetros de chuvas que resultou em alagamentos em praticamente todas as áreas da cidade.

O rio Mearim que passa entre as cidades de Pedreiras e Trizidela do Vale também transbordou durante o fim de semana, e desabrigou cerca de 150 famílias. Por conta do alto nível da água, algumas casas desapareceram e as ruas se tornaram uma extensão do rio. A situação no local é crítica e os desalojados foram abrigados em ginásios e escolas.

Antenor Ferreira

Jornalista chapadinhense, 33 anos, apresentador de rádio e TV, e redator dessa página. Obrigado por sua visita! Siga-nos no insta: @antenor.oficial

Nenhum comentário:

Participe! Deixe seu comentário

Assista!

Assista!
Clique para se inscrever na página

Clique na imagem e confira!

Nos Siga no Facebook

Mais lidas da semana

Ouça a rádio voz de arari!

Arquivo da página